De 67 a 101%: carga e complexidade tributária do país afetam competitividade do vinho nacional!

Data

Não é possível mensurar com exatidão o peso efetivo da carga tributária nos vinhos brasileiros, mas estudos realizados pelos dirigentes do Ibravin apontam que, em impostos diretos sobre o produto, ela pode representar até 67% do valor final pago pelo consumidor.
Durante um seminário sobre o tema, realizado em Bento Gonçalves, Julio Fante, dirigente do Ibravin, sentenciou: “Falar no quanto é a tributação, em um país com a carga de impostos que temos e no qual cada estado decide o quanto quer, ninguém sabe. Mas podemos afirmar que é bem alta e que o sistema é bastante complexo. Vivemos em um verdadeiro manicômio tributário”.
O autor do estudo, o advogado tributarista Rômulo de Jesus Dieguez de Freitas, foi além de Fante no que se refere ao impacto dos tributos na cadeia produtiva: “O custo tributário efetivo é muito maior do que o cálculo dos impostos diretos. Aplicando tudo o que incide na produção de um vinho, o percentual de incremento para o consumidor vai a 101%”. Isso não é loucura. É o custo Brasil”, justificou.
O estudo, com 384 páginas, traz a tona as variações nos índices do Imposto sobre Circulação de Impostos e Mercadorias (ICMS) taxados pelos estados brasileiros, que variam entre 12% a 37%, assim como os índices de Margem de valor Agregado (MVA), utilizados para cálculo de cobrança do ICMS, que variam entre 26,4% a 140%. 
Fonte: Ibravin
Acho que dá para entender, em parte, por que os vinhos brasileiros chegam tão caros até as nossas taças…

Outros Artigos

Olá, fique mais um pouco. Sou seu Wine Hunter.

Se não encontrou o que realmente procurava, deixe que eu faça isso por você.

Quero te propor a melhor experiência em nosso Marketplace de vinhos!